Gestão de ponto por exceção e como se aplica ao RH?

Tempo de leitura: 5 minutos

A rotina do RH sempre foi muito intensa. Mas, a partir do uso da tecnologia,os processos começaram a ser simplificados. No entanto, algumas práticas mais antigas ainda permaneceram, é o caso do ponto por exceção. Como o assunto ainda desperta muitas dúvidas entre os gestores e profissionais de RH, decidimos abordá-lo aqui no blog.

O que é ponto por exceção?

O contrato de trabalho firmado entre empresa e colaborador determina a carga horária semanal e mensal que deve ser cumprida. Partindo desse pressuposto, algumas empresas assumiram que não havia necessidade de fazer o registro diário da jornada de trabalho. Portanto, passaram a fazer somente o apontamento de situações atípicas, como faltas, atestados médicos, afastamentos, etc. Essa prática é denominada ponto por exceção.

É importante ressaltar que o principal aspecto que o RH deve considerar ao escolher um formato de gestão de ponto é a sua validade jurídica. Geralmente, o ponto por exceção é definido em acordo coletivo, que autoriza que o registro prévio da jornada de trabalho dos colaboradores. Porém, esse embasamento não é legal, uma vez que acordos e convenções coletivas devem obedecer às diretrizes da CLT para que sejam válidas e tenham aplicabilidade.

O que diz a legislação sobre o ponto por exceção?

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) determina que o registro de ponto é obrigatório para empresas com dez ou mais funcionários. E, a Portaria 373, autoriza o uso de sistemas alternativos de ponto eletrônico, desde que autorizados por Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho. Porém, alguns requisitos precisam ser seguidos. O sistema escolhido NÃO pode:

  • permitir marcação automática do ponto;
  • restringir a marcação do ponto;
  • alterar ou eliminar dados registrados pelo colaborador;
  • exigir autorização prévia para marcação de sobrejornada.

Para evitar riscos de processos trabalhistas as empresas devem evitar o ponto por exceção. Afinal de contas, não têm como comprovar a real jornada de trabalho cumprida pelos colaboradores. No entanto, uma prática válida e que também reduz o esforço do RH no processo de conferência e tratativas do ponto é a gestão por exceção.

Qual a diferença entre ponto por exceção e gestão por exceção?

A gestão por exceção é uma forma de administrar empresas dando mais autonomia aos colaboradores. Cada profissional ganha liberdade para decidir sobre suas próprias atividades e gerencia suas metas e objetivos. Essa prática também pode ser adotada inclusive para a gestão de ponto, sem deixar de cumprir o que determina a legislação.

Quer saber como implantar a gestão por exceção no que diz respeito ao ponto? Comece escolhendo um sistema de registro de ponto eletrônico. O principal cuidado que você deve ter é que o fornecedor atenda tudo o que determina as Portarias 1.510/09 e 373/11 do Ministério do Trabalho e Emprego.

Com o sistema em operação, os colaboradores fazem o registro de jornada sem qualquer restrição ou pré-marcação. O RH não precisa conferir ou monitorar os registros. Quando houver alguma inconsistência o setor ou o gestor imediato será alertado tratar somente a exceção. Portanto, não há necessidade de o RH ficar consultando o espelho de ponto de cada colaborador para verificar se está tudo correto.

É o que a Ahgora oferece com os alertas do Ahgora PontoWEB, Ahgora Leader e Suite do RH, por exemplo. Dá para entender como isso se traduz na prática neste vídeo aqui:

 

Conheça as principais vantagens da gestão por exceção

Um dos principais motivos de as empresas adotarem o ponto por exceção é a economia financeira. Porém, é um tiro que pode sair pela culatra, já que o ponto por exceção vai contra ao que orienta a legislação. Por isso, a empresa corre o risco de ter altos custos com processos trabalhistas.

Por outro lado, a gestão por exceção garante o cumprimento da legislação e aumenta o controle sobre as horas extras. Isto é, a empresa economiza e o RH ganha tempo para executar atividades mais estratégicas e menos operacionais. Isso sem falar que esse pode ser o pontapé inicial para tornar a gestão mais horizontal.

Vale ressaltar que, ao mesmo tempo que o colaborador ganha autonomia para gerir o seu próprio ponto, as relações profissionais se tornam mais transparentes. Afinal de contas, o registro da jornada fica disponível em nuvem, com fácil acesso tanto para o colaborador, quanto para a gestão e o RH. A informação em tempo real também favorece o cumprimento dos prazos do eSocial.

Resumindo, a gestão por exceção para o acompanhamento do ponto promove:

  • o cumprimento da legislação trabalhista;
  • maior controle sobre horas extras e banco de horas;
  • economia financeira;
  • otimização da rotina do RH;
  • transparência nas relações profissionais;

Agora você já sabe que o ponto por exceção tem mais aspectos negativos do que positivos. E, a melhor estratégia para o registro de ponto dos colaboradores é a gestão por exceção. Basta escolher o melhor sistema de ponto e engajar as equipes no uso do ponto. Se quiser saber mais sobre aplicações para o registro de ponto entre em contato conosco.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *